sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

NATAL E MISSÕES, ALGUMA COISA EM COMUM?


“Disse-lhes, então, Jesus segunda vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio”. João 20.21

A época do Natal geralmente é tempo onde procuramos rever o ano que está findando, redefinir planos, mas também é o tempo onde impera o Consumismo, o desejo incontrolável dos olhos, e onde o comércio procura usar as comemorações cristãs para lucrar mais. 

Ao refletirmos sobre o Natal de Cristo, somos tentados a esquecer de que este fato histórico é o cumprimento do Plano Eterno de Deus na salvação do homem. Isso tem tudo a ver com a obra missionária que revela a seu caráter. O Natal fala sobre advento do Messias, fala de Boas Novas, revela-nos que o Filho de Deus foi comissionado e por consequência nos mostra que seus discípulos foram comissionados. O Natal fala sobre a paz que Cristo trouxe aos homens de boa vontade. A obra missionária fala sobre a paz que a igreja tem quando proclama a vontade de Deus. O Natal fala sobre o sentimento que houve em Cristo quando abdicou de Sua Glória e se fez servo. A obra missionária fala sobre o sentimento que deve haver em nós para a proclamação da mensagem redentora. Portanto, aprendemos que este binômio Natal x Missões nos traz alguns princípios para a vida:

1o Princípio: O mesmo Deus que envia a Cristo ao mundo é o mesmo que envia a Igreja ao mundo. Somos uma igreja apostólica. Apostolicidade significa envio. Somos enviados ao mundo. Não se conhece um discípulo ou uma igreja que não esteja no mundo. A obra missionária seja local ou transcultural precisa ser nossa maior prioridade. Há uma pesquisa que mostra que os cristãos gastam mais com chicletes, com refrigerantes e balas, com cosméticos e produtos de beleza, com comida supérflua e roupas de etiqueta e a compra de CD-gospel do que com a obra missionária. Os cristãos atualmente estão ofertando, em média, para as missões menos do que o valor equivalente a uma Coca-Cola diária. Como podemos dizer que amamos a obra missionária, se as missões são o nosso menor investimento?

2o Princípio: O mesmo objetivo do Natal é o mesmo objetivo da Obra missionária: A Glória a Deus e a Paz na terra (Lc 2.14). O propósito do Natal foi a Glória de Deus. O propósito da Missão é a Glória de Deus. O objetivo do Natal foi o advento de Cristo para trazer “paz” aos homens (Rm 5.1). O objetivo da Missão é levar esta paz com Deus aos corações dos homens. Não é levar a glória da denominação ou da igreja. Não é plantar ou fundar trabalhos denominacionais em primeiro lugar. Se plantamos a obra denominacional sem a glória de Cristo estamos na contra-mão de Deus. A glória de Deus elimina projetos pessoais mesmo com “cara” evangélica.



3o Principio: O mesmo caráter do Natal é o da Obra Missionária: Doação e Renúncia (Fp 2.5-11). Jesus não usurpou o trono do Pai. Ele renunciou a sua glória. Jesus doou-se numa cruz. Não existe lucro na obra missionária. Não existem dividendos. Somente podemos entender que a obra missionária se faz da renúncia de nós mesmos, do desapego de nosso ego para nos doarmos as pessoas ao nosso redor. Portanto nestes dias lute por despojar a auto-piedade, o egocentrismo consumista. Tome iniciativas práticas, faça doação de algo mais permanente a alguém. Faça uma oferta missionária. Renove seu compromisso com o mundo carente de Jesus. Busque a determinação pessoal: Serei motivado pela e para a Glória de Deus.

Nenhum comentário: