quinta-feira, 23 de maio de 2013

VOCAÇÃO PASTORAL: 25 ANOS DE SAGRADO MINISTÉRIO DA PALAVRA


"... e seja achado nele...[...] para conhecê-lo.... para ver se de algum modo posso chegar à ressurreição dentre os mortos" . Paulo aos Filipenses (3.9,10)

Completar 25 anos de ministério pastoral é uma data celebrativa. Nem tanto pela data, mas pelas experiências deste tempo. Naquele dia (22/05/1988) fui ordenado ao Sagrado Ministério da Palavra pelo Presbitério de Rio Claro, Sínodo de Campinas, na Igreja Presbiteriana do Brasil. Minha vida que começou aos 9 de maio de 1965, teve um forte amparo católico romano. Minha família, em especial minha mãe e meu pai (Marly e Raul) me conduziram nas primeiras letras da alfabetização e da religião, participei dos primeiros sacramentos da igreja, culminando aos 10 anos de idade, 30 dias após o falecimento de minha mãe, com a minha primeira comunhão. Jane minha catequista, ainda me dizia, e assim me lembro que eu haveria de conhecer a Cristo mais profundamente. A primeira comunhão seria apenas o primeiro passo. Sei que Cristo estava comigo sempre, mas naquele 14 de dezembro de 1975, alguma coisa muito forte aconteceu em minha vida, eu estava comungando pela primeira vez. 

Os anos se passaram em muita tribulação pessoal, familiar e em meio a tudo isso, a pessoa de Cristo, o Deus encarnado, o verdadeiro Homem e verdadeiro Deus, me levou a confessá-lo mais forte ainda em 22 de dezembro de 1980, aos 15 anos quando de minha Pública Profissão de Fé na Segunda Igreja Presbiteriana de Rio Claro, sob a tutoria e mentoria de meu pastor Rev.  Dirceu Xavier de Mendonça, um servo de Deus, um conselheiro, um segundo pai, um pregador da Palavra de Deus, um discipulador e disciplinador. Sua esposa Cleomar, foi minha primeira professora na Escola Bíblica Dominical. Ali na igreja ela me ensinou as primeiras letras da Sagrada Escritura. 

Aos 17 anos, começando a me preparar para a UNICAMP e para a AMAN, um jovem pastor (Rev. Potenciano Filho) passou pela igreja, e falou no encontro de jovens a respeito do Sagrado Ministério. Aquilo foi como uma bomba em meu coração. Nos primeiros meses, pelo menos os seis meses que antecederam aos vestibulares, relutei contra qualquer idéia de me dedicar ao Sagrado Ministério da Palavra, porém, no final de 1983, estava eu  sendo examinado pelo Conselho de minha igreja a fim de meu encaminhamento ao Seminário Presbiteriano de Campinas em São Paulo. Fui recomendado ao Presbitério e encaminhado ao Seminário como "candidato ao ministério". Em julho de 1985, pedi transferência ao Seminário Presbiteriano de Norte e cheguei com meu amigo Dirceu Amorim de Mendonça no Recife naquele mês para dar continuidade aos estudos teológicos. 

Distante de minha terra, de minha família, de minha cultura, entendia que Deus estava a frente de minha vida e as portas foram se abrindo. Durante certo tempo tive como conselheiro um pastor holandês, reitor e professor do SPN, Rev. Francisco Leonardo que me ensinou a caminhar entre a necessidade da piedade e do estudo. Durante os quatro anos no Seminário recebi sempre o amparo de minha igreja em Rio Claro. A Segunda Igreja Presbiteriana de Rio Claro pagou todos os meus estudos no Seminário. Nunca esqueceram de mim. Meu avô Nicolau e meu pai Raul sempre estiveram me apoiando financeiramente. O tempo voou e em dezembro de 1987 estava eu com mais 25 colegas de turma, recebendo o diploma de Bacharel em Teologia, pelo Seminário Presbiteriano do Norte. 

Passei 6 meses Licenciado pelo Presbitério de Rio Claro e meus primeiros campos de pastorado foram a Congregação de Itirapina, SP e a Congregação de Vila Indaiá em Rio Claro. Após 2 anos de trabalho em Rio Claro, fui convidado a concorrer a eleição na Igreja Presbiteriana do Pina em Recife, PE, onde cheguei para cumprir um mandato de 5 anos em janeiro de 1990. Em 31 de maio de 1991 nascia, de meu primeiro casamento meu filho Lucas, e depois vieram Beatriz (20 de abril de 1994) e Pedro Augusto (27 de março de 1998). Em Recife, na IP do Pina, juntamente assumi o Deonato de estudantes do Seminário Presbiteriano do Norte em janeiro de 1993. Auxilei a Igreja Presbiteriana de Boa Viagem e em janeiro de 1995 assumi o pastorado auxiliar da Igreja Presbiteriana de Manaíra em João Pessoa ao lado de meu amigo e colega de turma do Curso de Seminário o Rev. Robinson Grangeiro Monteiro, permanecendo ali em João Pessoa até dezembro de 1995. Em janeiro de 1996, convidado pelo Instituto Bíblico do Norte, assumi a Direção Geral daquela Escola Missionária, em Garanhuns. Em Garanhuns servi como pastor efetivo da Igreja Central de Garanhuns por 2 anos e meio e posteriormente pastoreei a Congregação de Filadélfia, Igreja Presbiteriana Ebenézer em Bom Conselho por dois anos e como pastor auxiliar da Igreja Presbiteriana de Heliópolis, permanecendo em Garanhuns até 2001 quando fui convidado pela JURET do Seminário Presbiteriano do Norte e assumi a Direção em janeiro de 2002 até dezembro de 2004. 

Enquanto Diretor do SPN, fui eleito na Igreja Presbiteriana de Areias e permaneci ali de janeiro de 2003 até dezembro de 2005 quando sucumbi a uma depressão que me levou ao fundo do poço. Durante 2006 e 2008, mesmo nestas condições encontrei amparo como professor do Seminário Teológico Episcopal Carismático na Igreja Episcopal Carismática, na pessoa de meu amigo e bispo Dom Alexandre Ximenes. Ximenes enquanto eu passava pelos reveses de duas licenças pastorais e a separação no casamento, "segurou as cordas" e acreditou em meu ministério. Deus continuava comigo, me amparando com a sua graça incondicional. 

Em setembro de 2009, ao me casar com Rachel Trancoso, estava recomeçando minha vida pastoral, quando a Igreja Presbiteriana de Jardim São Paulo me convidou para concorrer a eleição e em janeiro de 2010 assumi o pastorado efetivo da igreja, onde estou até hoje.

Olhando para trás, somente posso dizer: "Senhor, eis me aqui, envia-me a mim". Em todas as experiências vividas, em todas as lutas travadas, em batalhas perdidas e outras muitas conquistadas, fica para mim, o sentimento que continuo minha caminhada. Esta caminhada não acabou, há muito por fazer. Mas se há alguma coisa em meu coração, algum sonho a realizar, algum projeto por conquistar, faço minhas as palavras de São Paulo ao escrever aos Filipenses: "... e seja achado nele...[...] para conhecê-lo.... para ver se de algum modo posso chegar à ressurreição dentre os mortos". Não tenho muitos planos pessoais, apenas quero estar "escondido" em meu Senhor Jesus Cristo, conhecê-lo profundamente, quero aprender a viver nele, com ele e por meio dele, quero "jogar fora" todo racionalismo, toda teologia que seja teologismo, toda devoção que seja devocionalismo para reter a pessoa, o ser e  a presença de meu Cristo. Pois sei que o que me conquistou, o que me segurou e o que me amparou até hoje não foram o conhecimento racional e teológico, não foram os postulados e os livros confessionais ou denominacionais. O que me conquistou foi este Deus verdadeiro que entrou em minha vida e nunca mais me deixará até aquele momento quando puder, "ressuscitado neste meu corpo", abraçá-lo e viver eternamente grato, pelo amor que somente Ele pôde provar na Santa Cruz do Calvário.  

2 comentários:

Robinson disse...

Querido Luis, seu testemunho me emociona, por ver a autenticidade de quem 'e discipulo do Senhor. Tenho o privilegio de ter estado com voce em alguns daqueles momentos no SPN e no ministerio da IPManaira.
Deus conserve sua chama acesa e o acolha sempre no seio de sua graca.
Abraco amigo.
Robinson

Buscad la Paz disse...

Luiz, amigo e irmão. Sua vida é um exemplo para mim. Provações, providência, misericórdia, testemunho, perseverança, humildade e sabedoria na Palavra do Senhor. Me lembro daquela noite quando você estava entrevistando meu pai para o trabalho da escola sobre religião. Aquele estudante perguntando e aprendendo, pareceria algo casual, somente mais um que passava pela igreja e perguntava... Não! Verdadeiramente ali começava um capítulo da obra de Deus. Aqui você tem um intercessor.

Ps. Dentro de algumas horas me encontrarei com o Armando, que está dando aulas mais uma vez em Portugal. Lhe mostrarei seu texto e nos lembrarmos daquela adolescência tão diferente... Adolescentes que gostavam de louvar ao Senhor e orar.
Parabéns e um grande abraço.
Dirceu