sábado, 11 de agosto de 2012

FÉ DO TAMANHO DE UMA SEMENTE DE MOSTARDA



Jesus sempre procurou valorizar o pequeno. Aquilo que era muitas vezes menosprezado pelos homens, ele atribuía seu verdadeiro valor e importância. Procurava enaltecer o desprezível, o insignificante e o diminuto. Deu-nos muitos exemplos a este respeito para que pudéssemos aprender a rever nossa posição diante daquilo que é julgado mínimo pela maioria. A semente de mostarda, o dracma perdido, a espiga de trigo, a ovelha perdida, o copo d”água oferecido ao sedento, são alguns exemplos que receberam de Deus o valor devido, mostrando-nos que nem tudo o que aparentemente é secundário para o mundo, seja assim para Deus. Ensinou que à criança pura e sensível está destinado o Reino dos Céus; e nos instruiu a imitá-la para que também pudéssemos ser dignos deste Reino.
Jesus não era um homem das massas, procurava orientar seus discípulos que não contassem aos outros a maioria dos milagres. Conhecia o coração das pessoas, sabia de seus sofrimentos e de suas inquietudes, estava ciente do quanto os homens são afligidos pelas doenças e pelos demônios.
Valorizou as viúvas indefesas, os órfãos, os servos, os pobres, os excluídos, os marginalizados, os doentes, os deficientes: todos eles sensibilizavam o Deus da Vida. Contudo, a criança era a predileção de Jesus. Via nela a imagem da pureza, a imagem do imaculado. Na criança a imagem e semelhança de Deus que nos foi dada na Criação permanecem fidedignas, pois Deus se revela pela sua candura. Nada sensibilizava mais seu coração quanto ver o sofrimento de uma criança inocente.
Trouxeram uma criança que estava possuída por um espírito maligno e que por causa disso, sofria ataques de epilepsia que a levavam a cair no fogo ou na água para o desespero de seus familiares. Jesus ouve da boca do próprio pai que seus discípulos não foram capazes de curar seu filho que padecia de uma grave enfermidade e que por isso estava trazendo diante dele, como ultima esperança.
O Senhor expôs para todos a fraqueza e a pequenez da fé que seus seguidores mais próximos tinham; e denunciou que esta fé vulnerável era o motivo pelo qual a cura não tinha sido alcançada. A falta de uma fé consistente em Deus da parte dos discípulos fez o Senhor falar de um jeito mais enérgico beirando o desabafo. Jesus estava se referindo a pouca fé dos apóstolos que, apesar de sempre estarem em sua companhia, pareciam não aprender muito com ele.
Imediatamente Jesus curou o menino. Sem espetáculo, sem alardes, sem ostentação, como lhe era peculiar. Os discípulos ficaram atônitos diante da simplicidade do gesto de cura realizada pelo Senhor.
O Senhor revelou que a fé inquebrantável em Deus é resultante do contínuo diálogo com Deus. A comunicação diária com o Senhor estreita os laços de nossa filiação e nos faz sensíveis a esta realidade. Sem um mínimo de fé não há como persistir na oração sincera. A fé nos é dada aos poucos, para que da mesma maneira possamos contemplar a abundante graça divina que nos é ofertada.
Jesus diz a seus discípulos que se tivéssemos fé do tamanho de uma semente de mostarda transportaríamos uma montanha de um lado ao outro; e que faríamos obras maiores do que as dele. Esta constatação estampa a fragilidade da nossa fé em Deus, revela nossa falta de perseverança na oração. Talvez a montanha primeira que teremos que transpor seja nossa própria resistência na freqüência da oração.               
Paulo Tamanine

Nenhum comentário: