quinta-feira, 11 de agosto de 2011

UM TRIBUTO A MEU PAI

Esta pastoral tem um sentido muito especial para mim. Sempre é mais fácil lermos e escrevermos sobre a figura da mãe. Muitos são os poemas que lemos sobre a mãe, sinômino de docilidade, de carinho, de amor. Poucas são as vezes que encontramos um poeta descrevendo sobre a figura do pai. Até porque em nossa cultura a figura do pai nem sempre é a imagem daquele que sempre está presente na vida, na educação e no convívio dos filhos.

Nem todos temos uma imagem tão positiva da imagem do pai quanto temos da mãe. Mas porque não tirarmos este dia para agradecer a Deus pelo nosso pai. Lembro-me de José, o pai “emprestado” de Jesus, Nosso Senhor. Nos evangelhos não temos muitas citações de José. Maria aparece muito mais, não somente neles, mas na tradição histórica também. Mas ao pensar em José, em sua passagem rápida pelo evangelho de Mateus, não podemos abrir mão de lembrarmos que ele colocou “sua cabeça em jogo” diante da sociedade e recebeu Maria e seu filho Jesus, pondo em dúvida sua reputação, pois assumir uma jovem grávida sem que esta tivesse sido antes casada, era alvo de críticas e difamação. Mas lá foi José, assumindo os riscos, porque o que estava contando era muito mais que palavras e rotulações, era a vida de um Menino que cumpriria uma missão de dar a vida a humanidade e restaurar o Universo. José foi um pai e tanto.

Hoje lembro-me de meu pai. Depois que minha mãe faleceu ainda jovem com apenas 34 anos de idade, eu e minha irmã precisávamos ser cuidados. Imagino sua luta interior. Trabalhava de manhã até a noite, os três expedientes. Sempre chegava depois das vinte e duas horas. Ele precisava prover o alimento, a educação e a saúde para nós. A verdade é que quase nunca o víamos, ele sempre estava trabalhando. É como me lembro de meu pai. Ele sempre estava trabalhando e ainda hoje trabalha em sua oficina. É verdade que quando queríamos que estivesse conosco, estava quase sempre ocupado. Mas para que? Para nos dar o que hoje temos com muita gratidão: a saúde, o trabalho, a educação, o conhecimento. Sem contar que recebi dele também a vocação pois tanto ele como minha mãe foram professores. Assim como ambos, sou educador. Recebi seu DNA e hoje não poderia trocar por outra profissão, pois vocação se recebe de Deus pela via ordinária dos pais.

Dele também recebi o caráter. Não dá para negar, Seu Raul é um homem íntegro, sincero e verdadeiro. Se há valores maiores que isso eu desconheço. Pois não consigo deixar de ser o que sou, assim como ele também é. Mas não somente isso, Seu Raul é um homem de fé e de confiança em Deus. Ele e minha mãe me legaram esta grande bênção. Poder confiar em Deus não é coisa de vitrine, faz parte da vida simples, que se experimenta no dia-a-dia, na vivência no mistério de Cristo.

Hoje, rendo a Deus um tributo, pela vida de meu pai. Mesmo distante dele desde o dia que saí de casa na Rua Cinco em Rio Claro para residir em Recife, fazer a vida, formar família e trabalhar como ele sempre fêz. Hoje embora distante fisicamente, me sinto tão perto dele, porque não estamos ligados pelo toque e pelo abraço mas pelo amor, pelo sentimento e pela alma. Além disso, hoje recebi uma grande notícia, o tumor que nasceu em seu corpo que podia ser maligno, foi detectado benigno. Louvei a Deus com o âmago de minha alma. Deus ouviu nossas orações. Sei que ainda terei meu pai, “perto” de mim por mais algum tempo até que possamos juntos nos encontrar com minha mãe, naquele dia quando Cristo renovar todas as coisas.

Seu Raul, sou grato a Deus pela sua vida, sou hoje, o que você foi para mim ontem. Deus te abençoe!

Rev. Luiz Augusto

2 comentários:

Millena Medeiros disse...

Perfeito. Vou homenagear meu pai também. Paz e bem.br

DIGIMON disse...

Ao abrir meu email esta hora, confesso que ao identificar uma msg recebida de LUIZ fiquei sem saber de quem era? Ao abri-lo, além da resposta a um msg antes enviada, fui fisgado a clicar no link do seu blog e ler a mensagem ali postado. Neste período(tempo) o PAI tem sido o assunto principal, e neste caso o comentário é mais que justo. Reconhecimento, aprovação do ser, elogios com porquês! Em vida, nada mais certo, reconhecimento pós morte, jamais ameniza o sentimento de ter falado muitas coisas, e a vida não tratou em conspirar a favor deste momento, PARABÉNS. Que a vitória sobre a doença, renove cada dia a graça recebida de ser filho de um Pai terreno, cuidado e conduzido pelo PAI eterno por muito tempo.

De seu amigo,aluno e ovelha....

Kleber Fontes