sábado, 23 de abril de 2011

O QUE É A PÁSCOA DE CRISTO? Lucas 24.1-12; 36-49; I Co 15.20.

“Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo as primícias* dentre aqueles que dormiram”.

Muitos possuem uma compreensão acerca da Páscoa totalmente fora dos parâmetros bíblicos. Para o verdadeiro cristão, comemorar a Páscoa de Cristo é algo que vai além da ênfase do comércio dos últimos dias. A verdadeira Páscoa traz uma nova mensagem ao coração de todas as pessoas, porque a morte não é fim de tudo. A ressurreição de Jesus traz nova vida restaurada e eterna diante de Cristo. Após o sofrimento vem a fé na certeza de que o mundo haverá de passar por uma total transformação abrindo para nós ‘novos céus e nova terra’.

Hoje celebramos com alegria mais uma Páscoa, a ressurreição de Cristo e para tanto é essencial que façamos uma reflexão sobre o verdadeiro significado da Páscoa Cristã.

1. Em primeiro lugar a Páscoa é o complemento da salvação eterna. (Lc 24.7, 44). Notem que o texto bíblico em Lucas nos revela que, quando as mulheres foram ao sepulcro ainda cedinho, como nos diz o texto, em alta madrugada, para embalsamar o corpo de Jesus, (é bom lembrar que elas somente foram no Domingo, porque guardavam o Sábado) encontraram não somente a pedra do sepulcro removida como também dois homens de vestidos resplandecentes. Em outros evangelhos, encontramos o relato que eram dois anjos. A pergunta feita pelos dois varões foi uma pergunta já revestida da resposta: Vejamos os versículos 5 e 6: "Por que vocês estão procurando entre os mortos aquele que vive? 6 Ele não está aqui! Ressuscitou!” e mais, vejamos o versículo 7 que diz: ''É necessário que o Filho do homem seja entregue às mãos de homens pecadores, seja crucificado e ressuscite no terceiro dia'. O Dr. David Bosch diz: “Para os discípulos a experiência da Páscoa foi fundamental. Eles interpretaram a cruz como o fim do mundo velho e a ressurreição de Jesus como a inauguração de um novo tempo” .

Assim, não há morte sem a ressurreição, não há cruz sem renovação, não há sofrimento sem a esperança de uma nova terra. Os discípulos se esqueceram completamente das palavras de Cristo. Vejamos o que nos diz I João 3.8: “para isto se manifestou o Filho de Deus para desfazer as obras do diabo”. O propósito da morte e ressurreição não é apenas promover os salvos a um lugar celestial. Isto é apenas parte da salvação. A salvação se completa quando Cristo ressuscita, abrindo a oportunidade de trazer não somente a eternidade, mas uma nova vida, em uma nova terra, resgatando a condição de Adão e Eva antes de pecarem. Vejamos o que diz: Romanos 4.25 : “Ele foi entregue à morte por nossos pecados e ressuscitado para nossa justificação”. Os crentes são justificados na completa obra de Cristo e assim podem viver eternamente com seus corpos ressuscitados.

2. Em segundo lugar, a Páscoa é o conteúdo da verdadeira pregação da igreja (Lc 24.47, 49). A pregação das boas novas se compõe de duas partes. Vejamos o texto de Lucas 24.47 e 49: e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Eu lhes envio a promessa de meu Pai; mas fiquem na cidade até serem revestidos do poder do alto".

A pregação a todas as nações deveria consistir de duas partes. A ressurreição e a comissão. A nota de triunfo e a nota de desafio. Cristo morreu, mas ressuscitou. Agora vamos pregar essa verdade. O mundo foi redimido. A partir daí, muita coisa mudou. O Dr. David Bosch mais uma vez afirma: “É por causa da Páscoa que nossos evangelhos foram escritos, sem a páscoa eles não fazem sentido algum. Ainda mais particularmente eles foram escritos a partir de uma perspectiva da ressurreição. O calor dessa experiência permeia todos os evangelhos. É precisamente a fé pascal que capacita a comunidade cristã primitiva a ver a prática de Jesus em um foco específico, isto é, o critério para entender sua própria situação e seu chamado a pregar. Somente nos fundamentos da Páscoa que a história de Jesus tem um futuro” .

Porque então proclamarmos? Por que há um céu nos esperando. Essa resposta é parcial. Não somente, mas há com certeza uma nova terra para que vivamos eternamente para Sua glória.

3. Em terceiro lugar é o prenúncio da consumação de todas as coisas. (I Co 15.20) Vejamos novamente o que nos diz I Co 15.20: “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo as primícias dentre aqueles que dormiram” . A ressurreição de Cristo é o pontapé inicial para que a morte seja plenamente vencida. A viver nesse mundo cheio de violência, insegurança, guerra, homicídios, traições, e todo tipo de mal, seria realmente uma tragédia total. Mas a Palavra de Deus afirma categoricamente. Há esperança. Há uma nova vida quando esse mundo passar, haverá outro sem as consequências do pecado.

Apocalipse afirma que haverá novos céus e nova terra. Pedro nos diz I Pe 1.3-9: Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, conforme a sua grande misericórdia, nos regenerou para uma esperança viva, por meio da ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, 4 para uma herança que jamais poderá perecer, macular-se ou perder seu valor, guardada nos céus para vocês 5 que, mediante a fé, são protegidos pelo poder de Deus até a vinda da salvação prestes a ser revelada no último tempo. 6 Nisto vocês exultam, ainda que agora, por um pouco de tempo, tenham de ser entristecidos por todo tipo de provação, 7 para que a fé que vocês têm, muito mais valiosa do que o ouro que perece, mesmo que refinado pelo fogo, seja comprovada como genuína e resulte em louvor, glória e honra, quando Jesus Cristo for revelado. 8 Mesmo não o tendo visto, vocês o amam; e apesar de não o verem agora, crêem nele e exultam com uma alegria indizível e gloriosa, 9 pois vocês estão alcançando o alvo da sua fé, a salvação das suas almas.

Agora devemos concluir fazendo algumas aplicações:

1. A sua convicção acerca da Páscoa lhe traz um renovo espiritual? Devemos fazer uma auto reflexão sobre a morte e ressurreição de Cristo.

2. Qual é o conteúdo de minha fé. Esse conteúdo me faz envolver-me por inteiro num minitério para que a Grande Comissão se cumpra através de nós?

3. O que mais lhe tem afetado, os pensamentos do alto ou ou pensamentos aqui da terra como nos diz Colossenses 3.1?

É hora de rever conceitos, decisões tomadas e abrir-se para a nova esperança, uma nova vida, um novo tempo, mas desta vez ressurretos também, redivivos também, vivendo eternamente em uma nova terra, preparada por Jesus Nosso Senhor e Salvador.

Que a Páscoa de Cristo seja a nossa maior motivação para tudo o que fazemos e falamos. Que seja assim. Amém.

Um comentário:

Marta Ribeiro disse...

Paz.
Seu blog é uma benção e tem me edificado muito. Sou seminarista Marta da IPI e tenho aprendido muito sobre mensagens de textos bíblicos e me deparei com esse que o senhor escreveu
"não há morte sem a ressurreição, não há cruz sem renovação, não há sofrimento sem a esperança de uma nova terra."
E queria saber qual explicação desse trecho, pois entendo que é o contrario, não a ressurreição sem morte (muitos podem morrer, mas não ressuscitar para Deus), não há renovação sem a cruz, não há esperança sem o sofrimento.
Deus te abençoe.