sexta-feira, 18 de março de 2011

Discipulado: Eis a questão

Há muito tempo faço esta pergunta ao meu coração: Por que será que a igreja cristã sempre se desviou dos mandatos de Cristo durante a sua história? Há muita gente falando sobre crescimento de igreja, mas querem fazê-lo sem as orientações do Cabeça desta igreja. Buscam inúmeros atalhos e só pensam em crescer, agregando pessoas por causa do dinheiro ou por causa de poder institucional. Gostaria de escrever um pouco sobre esta necessidade de obedecer aos mandatos de Cristo, o Cabeça da igreja, mas começando pela necessidade que todos temos de sermos discípulos dEle e fazer discípulos para Ele.

Quando penso em igreja, tenho que pensar que as pessoas são essenciais para Cristo e não o sistema. Assim percebo que inúmeras pessoas hoje em dia, deixam de conhecer a Cristo como ele é e acabam encontrando um outro cristo pensando que este é o verdadeiro. Mas na verdade, o que tem sido pregado por aí, nada mais é do que um sistema de vida. Como consequencia disso encontramos pessoas que embora creiam em em Deus nunca se tornaram discípulos dEle. E o que é pior, jamais se integraram no Reino de Deus. Por isso tenho que pensar alguma maneira de ensinar o Discipualdo de Jesus não como um programa eclesiástico, mas um estilo de vida que Cristo observou para que as pessoas sejam integralizadas no reino de Deus.

Ainda que não apareça na Bíblia o termo integração, existe uma firme base bíblica para usármos, por que ele traduz uma idéia básica encontrada em todo o Novo Testamento. A integração é um processo de relacionamento inter-pessoal que visa educar as pessoas e levá-las a uma condição de maturidade e uma contínua comunhão com Cristo, a fim de que elas mesmas possam cumprir a missão pela qual elas existem. Seja na igreja, na paróquia, no emprego, na escola ou em qualquer lugar.

Portanto, a integração de pessoas no Reino de Cristo tem como objetivo abranger tudo o que se faz individual e coletivamente seja por meio de dons, talentos, atividades as mais diversas que um ser humano possua, pois tudo o quem tem existe para seu próprio bem, para o benefício das pessoas ao seu redor e a um profundo relacionamento com Deus.

Segundo a minha visão, então a tarefa da igreja crsitã não é somente a salvação mas a integração e o desenvolvimento deste mundo que vive no caos em todos os sentidos. Quando tentamos desenvolver o discipulado como um estilo de vida de Cristo, começamos a ver algumas consequência muito positivas. Primeiramente, o discipulado torna mais profunda a relação entre Deus e o cristão. (entenda-se cristão, todo aquele que devota-se a Cristo). Em segundo lugar o discipulado integra as novas pessoas que nunca tiveram nenhum envolvimento com Cristo, numa determinada comunidade e os estimulam a viver e crescer espiritualmente; E então, somente então, é que haverá o tão desejado crescimento da igreja, pois os que vão se abrindo para esta visão de integração, são impulsionados a testificar e a se multiplicarem por causa do Reino de Cristo.

Mas vale aqui algumas definições do que NÃO seja a integração. Por exemplo a maioria das igrejas pensa que dar ao chamado "recém convertido" uma palavra de incentivo sobre a leitura da Bíblia, ou enfatizar-lhe o imperativo da mordomia cristã, dizendo-lhe que seja dizimista ou enchendo-lhe de folhetos ou de alguma literatura. Há os que pensam que pelo fato de recomendar-lhe que seja assíduo aos cultos dominicais é razão suficiente para que sela o mesmo integrado na paróquia. Outros acham que integrar alguém na igreja é tornar-lhe aluno da Escola Dominical, ou mesmo orienta-lo a ter um comportamento que não corresponderá as necessidades mais profundas do "recém convertido".

Desde muito tempo ouvimos falar sobre que Cristo mandou sua igreja evangelizar. Mas o que é evangelizar sem manter qualquer relaciomaneto com as pessoas. Na verdade a evangelização sem a integração sempre falhou e falhará no seu objetivo de anunciar o evangelho a este mundo. O máximo que se pode conseguir é a adição de algumas pessoas à igreja.

Nenhum comentário: